A adoção - Doutor das Crianças - Guia Médico

18 Agosto 2017
Comentários:  0
A adoção - A adoção




pediatra carlos simões quinta do conde,dr maurilio - pediatra em beja contacto,legendas para fotos de criança,DENTIÇÃO DAS CRIANÇAS,legenda para foto de bebe sorrindo,legenda para foto de criança sorrindo,legenda para foto de filha sorrindo,salario pediatra portugal,legenda para fotos de crianca sorrindo,Sonhar com varias cobra morta e seca.




A criança adotada deve ter sempre conhecimento da sua condição. É fundamental que receba essa informação dos pais adotivos, de uma forma clara, tranquila e espontânea, logo nos primeiros anos de vida. Quanto mais cedo o souber, mais fácil e natural será para ela adaptar-se. O tema deve ser abordado, de vez em quando, com naturalidade, sempre na sequência de circunstâncias lógicas, sem fazer disso uma coisa excecional e repetitiva.

A medida que vai crescendo, surgem perguntas que devem ser respondidas e é bom ir falando com ela sobre todas as suas inquietações. E normal que, em determinados momentos, manifeste curiosidade em conhecer pormenores sobre os seus pais biológicos.

Um ambiente familiar carinhoso e seguro, bem como o amor e a compreensão dos pais entre si e perante a criança, são as armas mais eficazes para resolver as angústias que possam surgir.

Transmitir-lhe a ideia de que foi escolhida c desejada de uma forma especial, explicar-lhe o problema da esterilidade e a razão fundamental da adoção, ajudará igualmente a superar as inquietações e os desassossegos que forem surgindo. As crianças adotadas têm, sem dúvida, mais possibilidades de sofrer de problemas emocionais, mas talvez isso também dependa do comportamento dos pais e, por vezes, das condições anteriormente vividas por elas.

Não há razão para que uma criança adotada seja particularmente caprichosa, embora com alguma facilidade os pais se tornem excessivamente tolerantes para com um bebé ansioso. Em Espanha, a adoção alterou-se radicalmente em 1987, tendo deixado de ter um carácter privado. Atualmente, é o serviço competente de cada comunidade autónoma que está encarregue de acolher as crianças, selecionar a família idónea e promover a adoção perante um juiz.

A nova lei estabelece a adoção plena, o que significa a rutura total do vínculo da criança à sua família biológica, a irreversibilidade da decisão e os direitos e obrigações da criança adotada, que são os mesmos dos filhos biológicos.

Compartilhar:
follow subscribe - A adoção