Sociabilidade, relações com os pais - Doutor das Crianças - Guia Médico

5 Maio 2016
Comentários:  0
Sociabilidade relações com os pais - Sociabilidade, relações com os pais




dorto alco,anything,pediatra carlos simões quinta do conde,dr maurilio - pediatra em beja contacto,legendas para fotos de criança,DENTIÇÃO DAS CRIANÇAS,legenda para foto de bebe sorrindo,legenda para foto de criança sorrindo,legenda para foto de filha sorrindo.




A partir dos três anos, é mais fácil o entendimento com a criança. O seu desenvolvimento emocional permite-lhe ser mais razoável e começa a olhar para os pais e irmãos mais velhos como pessoas maravilhosas que deseja imitar. Esta nova atração que começa a sentir pelos pais não significa que, ao mesmo tempo, não continue a desenvolver a sua individualidade e o desejo de autoafirmação, com preferências e gostos cada vez mais definidos.

Nesta idade, é mais fácil conseguir que obedeça e se porte bem, mas não deve esperar que isto suceda sempre, porque ainda vai ter muitos “ataques” de desobediência e de autoafirmação que a induzem a desafiar diretamente os adultos que se encontram à sua volta. A criança quer imitar, mas já não se conforma cm fazê-lo com atitudes físicas. Agora deseja ser como os seus pais em tudo.

De início, a rapariga identifica-se com a mãe, já que toma consciência da sua condição feminina, enquanto o rapaz se esforça por se parecer com a imagem que tem do pai, desenvolvendo ao mesmo tempo um amor idealizado pela mãe. Por volta dos quatro ou cinco anos, o rapaz quer casar-se com a mãe e, embora ainda não saiba exatamente o que isto significa, considera-a a pessoa mais linda do mundo. O mesmo sucede com a rapariga em relação ao pai.

Em determinado momento, é normal que o rapaz ame tanto a sua mãe e a rapariga o seu pai, que não queiram partilha-los. No entanto, a realidade impede-os de tê-los em exclusivo e sentem ciúmes, desejando, sem o reconhecer, que o pai ou a mãe desapareçam. Inevitavelmente, a seguir sentem-se culpados por terem estes sentimentos.

Durante esta fase, a criança vive uma mistura de amor, ciúmes, repúdio e culpabilidade em relação aos seus pais. Não se alarme, já que quase sempre ela é capaz de resolver sozinhas as suas contradições. Trate-a com naturalidade, bom senso e com muito amor. Mais tarde, por volta dos seis ou sete anos, “esquece-se” destes sentimentos para com os pais e concentra-se nos amigos, na escola e nos estudos.

Compartilhar:
follow subscribe - Sociabilidade, relações com os pais